UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Vento alcança segundo lugar na matriz energética do Brasil

11/04/2019

O crescimento vertiginoso da energia eólica no Brasil foi responsável pela quebra de um recorde importante no mês passado. A força do vento ultrapassou em capacidade instalada a hidrelétrica de Itaipu, alcançando a vice-liderança no ranking da matriz elétrica do país, atrás apenas da hidroeletricidade. A informação obtida em primeira mão pelo blog leva em conta os dados apurados pela Associação Brasileira de Energia Eólica (ABBEólica) e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Em números, apesar da eólica ser uma fonte intermitente de energia (a geração oscila de acordo com a dinâmica dos ventos) os mais de 7 mil aerogeradores espalhados pelo país em 601 parques eólicos somaram em abril 15 GW de capacidade instalada, superando os 14 GW da Itaipu, a segunda maior hidrelétrica do mundo, atrás apenas de Três Gargantas, na China (18 GW).
Para ilustrar a nova posição do vento na matriz elétrica do Brasil, a Associação Brasileira de Energia Eólica produziu o gráfico abaixo onde se vê a contribuição de cada fonte de energia separada por fonte primária, ou seja, de acordo com o recurso utilizado para a geração. Normalmente esse cálculo da matriz elétrica reúne em um só grupo todas as diferentes fontes de combustível fóssil (petróleo, carvão mineral e gás natural). Quando se dividem essas fontes, a energia eólica se destaca.
A hidroeletricidade lidera o ranking com 63,9% do total (104,5 GW), seguido do vento com 15,1 GW (9,2%), biomassa com 14,8% (9 GW), gás natural com 13,4 GW (8,1%), petróleo com 9,9 GW (5,4%), carvão mineral com 3,3 GW (2%), solar com 2,1 GW (1,3%) e nuclear com 2 GW (1,2%).
Uma caprichosa combinação de ventos regulares com um modelo inovador de contratação de projetos por leilão (quando o governo prioriza os preços mais baixos pela maior oferta de energia) explica o sucesso da energia eólica no Brasil.
Além disso, a exuberância dos ventos na região Nordeste (que concentra 86% de toda a energia eólica produzida no país) turbina os investimentos no setor. O blog já ouviu de diferentes investidores estrangeiros a mesma explicação sobre o diferencial do litoral nordestino quando o assunto é energia eólica: “É o melhor vento do mundo!”. A diferença está no chamado fator de capacidade, que é o percentual médio de produção efetiva obtido pela conversão do vento em energia. Enquanto no mundo o fato de capacidade está em 25%, no Brasil esse índice chegou no ano passado a 42%. No Nordeste, em plena safra de vento que vai de junho a novembro, o fator de capacidade chega a ultrapassar os 80%. Isso explica a predominância dos parques eólicos na região.

Leia mais no G1

Novidades

Jacaré ´passeia´ em bueiro de condomínio na Barra da Tijuca

18/04/2019

A presença de um jacaré no bueiro de um condomínio na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, chamou ate...

Prefeitura de Niterói vai realizar 54 obras de contenção de encostas na cidade

18/04/2019

A Prefeitura de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, assina hoje quinta-feira dia 18 a ordem de ...

Câmara Municipal aprova a proibição de canudos de plástico em São Paulo

18/04/2019

A Câmara de São Paulo aprovou, em segunda votação, por 32 votos a 2 na noite desta quarta-feira (17)...

Estaleiro é multado em R$ 505 mil pelo vazamento de óleo de navio no mar

18/04/2019

A empresa Serena Construções foi multada em R$ 505 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e ...

Estudante da BA cria tecnologia para filtrar água através da luz solar em regiões do semiárido e leva prêmio nos EUA

18/04/2019

Uma estudante baiana faturou um prêmio nos Estados Unidos após desenvolver uma ideia visando solucio...

Jacaré encontrado debaixo de ponte no DF passa por cirurgia

18/04/2019

Uma equipe do Zoológico de Brasília iniciou, às 15h35 desta terça-feira (16), uma cirurgia para reti...