UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Vento alcança segundo lugar na matriz energética do Brasil

11/04/2019

O crescimento vertiginoso da energia eólica no Brasil foi responsável pela quebra de um recorde importante no mês passado. A força do vento ultrapassou em capacidade instalada a hidrelétrica de Itaipu, alcançando a vice-liderança no ranking da matriz elétrica do país, atrás apenas da hidroeletricidade. A informação obtida em primeira mão pelo blog leva em conta os dados apurados pela Associação Brasileira de Energia Eólica (ABBEólica) e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Em números, apesar da eólica ser uma fonte intermitente de energia (a geração oscila de acordo com a dinâmica dos ventos) os mais de 7 mil aerogeradores espalhados pelo país em 601 parques eólicos somaram em abril 15 GW de capacidade instalada, superando os 14 GW da Itaipu, a segunda maior hidrelétrica do mundo, atrás apenas de Três Gargantas, na China (18 GW).
Para ilustrar a nova posição do vento na matriz elétrica do Brasil, a Associação Brasileira de Energia Eólica produziu o gráfico abaixo onde se vê a contribuição de cada fonte de energia separada por fonte primária, ou seja, de acordo com o recurso utilizado para a geração. Normalmente esse cálculo da matriz elétrica reúne em um só grupo todas as diferentes fontes de combustível fóssil (petróleo, carvão mineral e gás natural). Quando se dividem essas fontes, a energia eólica se destaca.
A hidroeletricidade lidera o ranking com 63,9% do total (104,5 GW), seguido do vento com 15,1 GW (9,2%), biomassa com 14,8% (9 GW), gás natural com 13,4 GW (8,1%), petróleo com 9,9 GW (5,4%), carvão mineral com 3,3 GW (2%), solar com 2,1 GW (1,3%) e nuclear com 2 GW (1,2%).
Uma caprichosa combinação de ventos regulares com um modelo inovador de contratação de projetos por leilão (quando o governo prioriza os preços mais baixos pela maior oferta de energia) explica o sucesso da energia eólica no Brasil.
Além disso, a exuberância dos ventos na região Nordeste (que concentra 86% de toda a energia eólica produzida no país) turbina os investimentos no setor. O blog já ouviu de diferentes investidores estrangeiros a mesma explicação sobre o diferencial do litoral nordestino quando o assunto é energia eólica: “É o melhor vento do mundo!”. A diferença está no chamado fator de capacidade, que é o percentual médio de produção efetiva obtido pela conversão do vento em energia. Enquanto no mundo o fato de capacidade está em 25%, no Brasil esse índice chegou no ano passado a 42%. No Nordeste, em plena safra de vento que vai de junho a novembro, o fator de capacidade chega a ultrapassar os 80%. Isso explica a predominância dos parques eólicos na região.

Leia mais no G1

Novidades

Especialistas questionam legalidade do projeto para patinetes aprovado pela Alerj

13/06/2019

Uma primeira tentativa de regulamentação do uso de patinetes elétricos no Rio foi feita na terça-fei...

No Dia dos Namorados, casais de animais do zoológico do Rio ganham almoço especial

13/06/2019

Próximo ao dia dos namorados muitos casais tentam abocanhar uma ou outra promoção de restaurantes na...

Estado do Rio fica desabastecido de inseticida, após compra de 300 mil litros de produto incompatível

13/06/2019

Os estoques do inseticida utilizado no controle do mosquito Aedes aegypti adultos estão abaixo dos n...

Polícia encontra área de 2 mil m² desmatada e árvores nativas cortadas em Petrópolis, no RJ

13/06/2019

Agentes da Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) do Parque Estadual dos Três Picos encontraram um...

´Brasil não conseguirá atingir as metas´, diz coordenador do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

13/06/2019

Oswaldo Lucon acompanha de perto o avanço da temperatura global há 25 anos. Desde a década de 1990, ...

Confirmações de casos de dengue no Paraná aumentam 12% em uma semana, indica boletim

13/06/2019

As confirmações de casos de dengue no Paraná aumentaram 12% em uma semana, de acordo com o boletim s...