UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Coronavírus desafia sustentabilidade com maior acúmulo de lixo caseiro e hospitalar

02/04/2020

O maior tempo gasto dentro de casa para combater a expansão do novo coronavírus tem uma consequência prejudicial para o ambiente: o aumento da produção do lixo doméstico, boa parte dele composta por plástico, papel e papelão de embalagens de produtos e pacotes comprados pela internet.
A Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) estima que as medidas de isolamento social devem causar um aumento de 15% a 25% na produção de resíduos sólidos (lixo orgânico e reciclável) nas residências. O lixo hospitalar deve crescer de 10 a 20 vezes, segundo a entidade.
“Em um primeiro momento, com a queda no movimento, percebemos uma diminuição na geração de resíduos. Mas em seguida há uma mudança nos hábitos dentro de casa. Com o fechamento do comércio, aumentam compras online, que costumam chegar com muita embalagem, e cresce a produção de resíduos”, diz Carlos Silva Filho, diretor-presidente da Abrelpe.
A entidade conta com 41 empresas associadas, que dominam cerca de 65% do mercado de limpeza urbana do país.
A recomendação de Silva Filho é que as empresas usem o bom senso para diminuir ao mínimo possível a quantidade de embalagem em seus produtos. O consumidor, por outro lado, deve ficar atento para escolher os itens que vão produzir a menor porção de lixo.
A coleta seletiva é uma das principais maneiras de evitar piores consequências para a natureza. A paralisação desses serviços, porém, já acontece em algumas cidades.
Em São Paulo, por exemplo, funcionam apenas as centrais mecanizadas de triagem para separar o lixo, sem o trabalho manual. Em nota, a Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana) disse que os serviços de coleta comum e seletiva operam normalmente na cidade.
Silva Filho lembra que alguns cuidados devem ser adicionados na hora de separar o lixo em casa, principalmente quando há a suspeita de que algum dos residentes esteja contaminado com coronavírus. Nesse caso, a orientação é que o lixo reciclável seja descartado com o lixo orgânico, com uma proteção extra (um revestimento duplo de saco plástico, por exemplo) para evitar contaminação.
Existem boas notícias para o ambiente também. A queda na movimentação nas grandes cidades, provocada pela necessidade do isolamento social, teve reflexos diretos na diminuição da emissão de poluentes para a atmosfera.
Em São Paulo, que está em quarentena desde a terça-feira (24), houve queda acentuada na quantidade de monóxido de carbono no ar desde o dia 20 de março, segundo a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). A diminuição do poluente, diz a companhia em nota, foi maior nas proximidades das vias mais movimentadas. O gás tóxico é emitido por motores de veículos.
A entidade diz que um monitoramento por um período mais longo de tempo vai poder confirmar e dimensionar os impactos da quarentena na qualidade do ar, já que a diminuição da poluição depende também das condições meteorológicas.
Outras grandes cidades em quarentena registraram fenômeno semelhante. Em Milão, a concentração no ar do gás poluente dióxido de nitrogênio caiu 24% nas quatro semanas anteriores ao dia 24 de março, segundo a Agência Europeia do Ambiente (EEA).
Em Madrid, a quantidade do dióxido de nitrogênio na atmosfera chegou a cair 56% de uma semana para a outra, de acordo com a EEA.
Embora temporárias, as mudanças devem surtir efeito positivo no balanço anual de emissões de poluentes dessas cidades.
O consumo de energia elétrica também caiu no Brasil. Na sexta (20), quando medidas de restrição social já começavam a ser tomadas pelo país, o gasto de eletricidade foi 8,7% menor do que na sexta-feira anterior (13), segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).
Num momento ainda incerto para a manutenção de ações ambientalmente sustentáveis, a ativista do clima Greta Thunberg disse à revista inglesa New Scientist que está preocupada com a possibilidade de a luta contra a pandemia do coronavírus ser usada para travar o combate à crise climática.
“As pessoas não querem ouvir sobre a crise do clima agora. Eu entendo completamente, mas temos de nos assegurar de que ela não será esquecida. Precisamos tratar dessas duas crises ao mesmo tempo, porque a crise climática não vai embora”, alertou Thunberg.

Fonte: Folha de S. Paulo

Novidades

Fechados na quarentena, museus oferecem doses de arte ao público pelas redes sociais

28/05/2020

Arte é resistência. Para continuar oferecendo programação cultural ao público durante a quarentena, ...

Campos, RJ, registra quase 600 casos de chikungunya no primeiro trimestre deste ano

28/05/2020

O mundo todo está lidando com as consequências do novo coronavírus. Em Campos dos Goytacazes, no Nor...

Madeireiras são alvo de ação contra extração ilegal de madeira de reserva indígena de RO

28/05/2020

Duas madeiras do distrito de Extrema e mais três de Nova Califórnia foram alvos de uma ação conjunta...

Bioma mais ameaçado do Brasil, Mata Atlântica vive alta do desmatamento

28/05/2020

O ritmo de destruição da Mata Atlântica voltou a subir após ter sido registrada a menor taxa de desm...

Desmatamento na mata atlântica cresce 27% entre 2018 e o primeiro ano do governo Bolsonaro

28/05/2020

O desmatamento na mata atlântica entre 2018 e 2019 cresceu cerca de 27% em comparação com o período ...

Amazônia perdeu em média 2,1 mil hectares de floresta por dia em 2019, aponta levantamento

28/05/2020

A Amazônia perdeu em média 2.110 hectares de floresta por dia em 2019, área equivalente 1,9 mil camp...