UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Coronavírus pode causar ´genocídio´ de povos indígenas, diz pesquisadora

26/03/2020

À medida que o novo coronavírus se alastra pelo Brasil, crescem os temores de que comunidades indígenas sejam dizimadas pela Covid-19, a doença causada pelo patógeno.
Doenças respiratórias já são a principal causa de morte entre as populações nativas brasileiras, o que torna a pandemia atual especialmente perigosa para esses grupos.
Há ainda preocupações quanto ao desabastecimento de muitas comunidades indígenas que compram alimentos em cidades e dependem de programas sociais como o Bolsa Família, mas estão sendo orientadas a evitar os deslocamentos para impedir o contágio.
Apesar da gravidade do cenário, associações indígenas e entidades que os apoiam afirmam que órgãos federais não têm adotado providências para proteger as comunidades - e que há falta de materiais básicos, como máscaras, para lidar com eventuais casos nas aldeias.
"Há um risco incrível de o vírus se alastrar pelas comunidades e provocar um genocídio", diz a médica sanitarista Sofia Mendonça, pesquisadora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Mendonça é a atual coordenadora do Projeto Xingu da Unifesp, pelo qual a universidade atua na promoção da saúde de povos indígenas da bacia do rio Xingu (no Mato Grosso e no Pará) há meio século.
Ela afirma que o novo coronavírus pode ter para povos indígenas brasileiros impacto comparável ao de grandes epidemias do passado, como as causadas pelo sarampo.
"Todos adoecem, e você perde todos os velhos, sua sabedoria e organização social. Fica um buraco nas aldeias", afirma.
Mendonça diz, por outro lado, que a memória de epidemias passadas pode estimular comunidades que vivem em territórios extensos a se dividir em grupos menores e buscar refúgio no interior da mata.
"Provavelmente alguns vão se munir de materiais que precisam para caçar e pescar e vão fazer acampamentos, esperando lá até a poeira baixar", afirma.
Mendonça diz que métodos usados em áreas urbanas para reduzir o contágio - como higienizar as mãos com álcool gel - são impráticaveis em muitas aldeias. Por isso ela defende concentrar os esforços em impedir que o vírus chegue às comunidades e isolar eventuais infectados.
Mendonça, assim como várias organizações indígenas brasileiras, tem difundido mensagens no WhatsApp e por rádio orientando as comunidades a suspender as idas às cidades e impedir a entrada de visitantes.
Nas últimas semanas, vários grupos cancelaram reuniões e rituais abertos a turistas. O Acampamento Terra Livre - principal evento do movimento indígena brasileiro, que ocorre em Brasília a cada mês de abril - foi suspenso.
Mesmo assim, Mendonça diz que há chances consideráveis de que o vírus chegue às aldeias - e que será preciso isolar os doentes antes que eles infectem os parentes.

Saiba mais no G1

Novidades

Doações garantem abertura de 100 leitos de CTI em hospitais públicos do Rio

02/04/2020

A chegada da Covid-19 expôs a fragilidade da rede pública hospitalar do Rio e, na corrida pela ativa...

Fiocruz: desaceleração nos casos de síndromes respiratórias no Rio pode ter ocorrido por causa de isolamento social

02/04/2020

O isolamento social de parte da população do Rio por causa do coronavírus pode estar tendo os primei...

Coronavírus desafia sustentabilidade com maior acúmulo de lixo caseiro e hospitalar

02/04/2020

O maior tempo gasto dentro de casa para combater a expansão do novo coronavírus tem uma consequência...

Retirada do óleo de navio encalhado no MA foi concluída, diz Marinha

02/04/2020

A Marinha informou que foi concluída na sexta (27) a operação de retirada do óleo dos tanques do nav...

Fotógrafo consegue imagem rara de harpia e filhote no ninho

02/04/2020

Um fotógrafo de Rondônia conseguiu registrar uma harpia com seu filhote no ninho, uma rara cena de u...

Filhote de urso-negro órfão se recupera em zoo na Califórnia

02/04/2020

Um pequeno filhote órfão de urso-negro tem mostrado boa recuperação após passar algumas semanas sob ...