UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Quem pode ser responsabilizado pelo vazamento de petróleo nas praias do Nordeste?

10/10/2019

As circunstâncias exatas do vazamento de petróleo na costa brasileira ainda não estão claras, mas a gravidade desse incidente para o meio ambiente e para a economia das cidades afetadas é evidente.
Animais marinhos ameaçados, tartarugas mortas e prejuízos para o turismo são algumas das consequências.
Um relatório da Petrobras mostra que os resíduos que já chegaram a 138 áreas do litoral nordestino são uma mistura de óleos da Venezuela.
Antes da divulgação do documento, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, deu a entender que o governo sabia qual era o país da embarcação que deu origem às manchas de óleo e que poderia se tratar de uma ação criminosa.
"Eu não posso acusar um país, vai que não é aquele país. Não quero criar problemas com outros países. É reservado", disse. "Temos no radar um país que pode ser a origem do petróleo."
"É um volume que não está sendo constante, não é? Se fosse um navio que tivesse afundado, estaria saindo ainda óleo. Parece que [...] criminosamente algo foi despejado lá."
A Marinha e órgãos estaduais e federais estão atuando em conjunto para tentar identificar a origem do vazamento. Participam da operação 1,5 mil militares, cinco navios, uma aeronave e diversas embarcações e viaturas de delegacias e capitanias dos portos.
Três hipóteses são consideradas: naufrágio de embarcação, despejo criminoso ou acidente na passagem de óleo de um navio para outro.
Ainda há muitas perguntas sem resposta. Mas quando a origem do óleo finalmente for rastreada, quem deverá ser responsabilizado e punido pelos danos ambientais?
Para responder a essa pergunta a BBC News Brasil ouviu duas especialistas em Direito Marítimo Internacional especializadas em conflitos envolvendo vazamento de petróleo no oceano.
Segundo a professora de Direito Marítimo Ingrid Zanella, da Universidade Federal de Pernambuco, e a advogada Maria Fernanda Soares, especialista em direito marítimo, antes de saber quem o governo brasileiro deve processar e punir, é preciso identificar com certeza quem é o dono da embarcação ou das embarcações envolvidas no episódio, que país produziu o óleo vazado, em que território vazou o óleo, qual empresa contratou o navio e que empresa receberia a mercadoria transportada.
As vítimas desse vazamento podem ser comunidades de pescadores — caso tenha afetado a quantidade ou volume histórico de pesca, por exemplo —, a indústria do turismo, hotéis, e os próprios Estados que estão gastando dinheiro para limpar o óleo da orla brasileira e mitigar os danos causados.

A matéria completa pode ser lida no G1

Novidades

Fechados na quarentena, museus oferecem doses de arte ao público pelas redes sociais

28/05/2020

Arte é resistência. Para continuar oferecendo programação cultural ao público durante a quarentena, ...

Campos, RJ, registra quase 600 casos de chikungunya no primeiro trimestre deste ano

28/05/2020

O mundo todo está lidando com as consequências do novo coronavírus. Em Campos dos Goytacazes, no Nor...

Madeireiras são alvo de ação contra extração ilegal de madeira de reserva indígena de RO

28/05/2020

Duas madeiras do distrito de Extrema e mais três de Nova Califórnia foram alvos de uma ação conjunta...

Bioma mais ameaçado do Brasil, Mata Atlântica vive alta do desmatamento

28/05/2020

O ritmo de destruição da Mata Atlântica voltou a subir após ter sido registrada a menor taxa de desm...

Desmatamento na mata atlântica cresce 27% entre 2018 e o primeiro ano do governo Bolsonaro

28/05/2020

O desmatamento na mata atlântica entre 2018 e 2019 cresceu cerca de 27% em comparação com o período ...

Amazônia perdeu em média 2,1 mil hectares de floresta por dia em 2019, aponta levantamento

28/05/2020

A Amazônia perdeu em média 2.110 hectares de floresta por dia em 2019, área equivalente 1,9 mil camp...