UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Brasil não assina acordo global para limitar o uso do plástico

23/05/2019

A julgar pela disposição demonstrada nos primeiros cem dias do governo de Jair Bolsonaro, dando prioridade ao combate ao lixo marinho ao criar o Plano de Ação Nacional de Combate ao Lixo no Mar - para o qual seriam investidos R$ 40 milhões - os ambientalistas acharam uma contradição a decisão de o país não assinar um acordo, proposto pela ONU no dia 10 deste mês, para tentar conter o problema dos plásticos na natureza.
Conversei na terça-feira (21) com Anna Carolina Lobo, gerente do Programa Marinho e Mata Atlântica do WWF Brasil, que me confirmou que o Brasil, ao lado dos Estados Unidos e de outros cinco países, optou por abrir mão de estar no grupo dos 187 que apoiaram a resolução da ONU para diminuir a produção do plástico de uso único, para fomentar pesquisas no sentido de descobrir alternativas e fazer estudos científicos para a reciclagem.
Aqui, vale um parênteses para lembrar que o Brasil e os Estados Unidos estão entre os cinco países que mais produzem lixo plástico, além da China, Índia e Indonésia. E que, segundo a ONU, “a poluição proveniente do lixo plástico atingiu proporções epidêmicas com uma estimativa de 100 milhões de toneladas de plástico encontradas atualmente nos oceanos”. Fecha o parênteses.
Uma semana depois do lançamento do Plano Nacional, em março, na cidade de Santos, veio a primeira surpresa desagradável para os ambientalistas: numa reunião de meio ambiente da ONU em Nairóbi, no Quênia, o Brasil se posicionou fortemente ao lado dos Estados Unidos, país que vem sendo contra acordos globais de meio ambiente.
Depois disso, há dez dias, o Brasil se posicionou oficialmente contrário ao “Planeta Limpo, Pessoas Saudáveis: Boa Gestão de Produtos Químicos e Resíduos”, título dado ao acordo conseguido em Genebra.
Um dos fatos que impressiona os ambientalistas na decisão tomada por Brasil e dos Estados Unidos é que os dois países não são os maiores produtores de plástico do mundo, posição ocupada por algumas nações da Ásia, como Singapura.
“É inacreditável, uma grande contradição. Foi uma surpresa para nós, porque no início do governo havia uma determinação em cuidar do tema lixo marinho. O Brasil fez um movimento de aproximação dos Estados Unidos por conta da OCDE, que agora anuncia que vai priorizar a entrada da Argentina e da Rússia”, diz Anna Carolina Lobo.
Haverá ainda uma chance, em setembro, numa nova reunião da ONU, para tentar reverter a postura do Brasil. Para isso, já está circulando na internet uma petição dirigida aos líderes mundiais para que eles estabeleçam metas rigorosas para acabar com o despejo de plástico nos oceanos até 2030. Neste caso, a importância da opinião pública é grande, porque o número de assinaturas pode ajudar a pressionar os líderes mundiais. Neste sentido, há uma certa esperança por parte dos ambientalistas.

Para ler este editorial, acesse o Blog da Amelia Gonzalez

Novidades

Especialistas questionam legalidade do projeto para patinetes aprovado pela Alerj

13/06/2019

Uma primeira tentativa de regulamentação do uso de patinetes elétricos no Rio foi feita na terça-fei...

No Dia dos Namorados, casais de animais do zoológico do Rio ganham almoço especial

13/06/2019

Próximo ao dia dos namorados muitos casais tentam abocanhar uma ou outra promoção de restaurantes na...

Estado do Rio fica desabastecido de inseticida, após compra de 300 mil litros de produto incompatível

13/06/2019

Os estoques do inseticida utilizado no controle do mosquito Aedes aegypti adultos estão abaixo dos n...

Polícia encontra área de 2 mil m² desmatada e árvores nativas cortadas em Petrópolis, no RJ

13/06/2019

Agentes da Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) do Parque Estadual dos Três Picos encontraram um...

´Brasil não conseguirá atingir as metas´, diz coordenador do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

13/06/2019

Oswaldo Lucon acompanha de perto o avanço da temperatura global há 25 anos. Desde a década de 1990, ...

Confirmações de casos de dengue no Paraná aumentam 12% em uma semana, indica boletim

13/06/2019

As confirmações de casos de dengue no Paraná aumentaram 12% em uma semana, de acordo com o boletim s...