UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Brasil não assina acordo global para limitar o uso do plástico

23/05/2019

A julgar pela disposição demonstrada nos primeiros cem dias do governo de Jair Bolsonaro, dando prioridade ao combate ao lixo marinho ao criar o Plano de Ação Nacional de Combate ao Lixo no Mar - para o qual seriam investidos R$ 40 milhões - os ambientalistas acharam uma contradição a decisão de o país não assinar um acordo, proposto pela ONU no dia 10 deste mês, para tentar conter o problema dos plásticos na natureza.
Conversei na terça-feira (21) com Anna Carolina Lobo, gerente do Programa Marinho e Mata Atlântica do WWF Brasil, que me confirmou que o Brasil, ao lado dos Estados Unidos e de outros cinco países, optou por abrir mão de estar no grupo dos 187 que apoiaram a resolução da ONU para diminuir a produção do plástico de uso único, para fomentar pesquisas no sentido de descobrir alternativas e fazer estudos científicos para a reciclagem.
Aqui, vale um parênteses para lembrar que o Brasil e os Estados Unidos estão entre os cinco países que mais produzem lixo plástico, além da China, Índia e Indonésia. E que, segundo a ONU, “a poluição proveniente do lixo plástico atingiu proporções epidêmicas com uma estimativa de 100 milhões de toneladas de plástico encontradas atualmente nos oceanos”. Fecha o parênteses.
Uma semana depois do lançamento do Plano Nacional, em março, na cidade de Santos, veio a primeira surpresa desagradável para os ambientalistas: numa reunião de meio ambiente da ONU em Nairóbi, no Quênia, o Brasil se posicionou fortemente ao lado dos Estados Unidos, país que vem sendo contra acordos globais de meio ambiente.
Depois disso, há dez dias, o Brasil se posicionou oficialmente contrário ao “Planeta Limpo, Pessoas Saudáveis: Boa Gestão de Produtos Químicos e Resíduos”, título dado ao acordo conseguido em Genebra.
Um dos fatos que impressiona os ambientalistas na decisão tomada por Brasil e dos Estados Unidos é que os dois países não são os maiores produtores de plástico do mundo, posição ocupada por algumas nações da Ásia, como Singapura.
“É inacreditável, uma grande contradição. Foi uma surpresa para nós, porque no início do governo havia uma determinação em cuidar do tema lixo marinho. O Brasil fez um movimento de aproximação dos Estados Unidos por conta da OCDE, que agora anuncia que vai priorizar a entrada da Argentina e da Rússia”, diz Anna Carolina Lobo.
Haverá ainda uma chance, em setembro, numa nova reunião da ONU, para tentar reverter a postura do Brasil. Para isso, já está circulando na internet uma petição dirigida aos líderes mundiais para que eles estabeleçam metas rigorosas para acabar com o despejo de plástico nos oceanos até 2030. Neste caso, a importância da opinião pública é grande, porque o número de assinaturas pode ajudar a pressionar os líderes mundiais. Neste sentido, há uma certa esperança por parte dos ambientalistas.

Para ler este editorial, acesse o Blog da Amelia Gonzalez

Novidades

Animal marinho ´posa para foto´ na Praia de Camboinhas e volta para o mar

22/08/2019

Um animal marinho foi avistado na praia de Camboinhas, em Niterói, na região metropolitana do Rio, n...

Fundação Parques e Jardins tem quatro mil mudas para plantar no Rio

22/08/2019

A comoção que causa o corte de uma árvore só é comparada à de quando se vê bicho sendo maltratado na...

Fenômeno ótico que escureceu SP é uma das consequências das queimadas na Amazônia

22/08/2019

Uma frente fria apresentou ao paulistano o céu de chumbo produzido pelo calor das queimadas que arde...

Análises confirmam presença de partículas de queimadas maior do que o normal em água de chuva preta de SP

22/08/2019

Análises técnicas feitas por duas universidades mostraram que a água da chuva de cor escura, coletad...

SP tem 90 novas áreas desmatadas de Mata Atlântica nos últimos 5 anos, aponta relatório

22/08/2019

A cidade de São Paulo somou pelo menos 90 novas áreas de Mata Atlântica desmatadas nos últimos 5 ano...

Superbactérias são encontradas pela primeira vez fora do ambiente hospitalar em SP

22/08/2019

Superbactérias que até agora só eram encontradas em ambiente hospitalar foram detectadas em pessoas ...