UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Brasil não assina acordo global para limitar o uso do plástico

23/05/2019

A julgar pela disposição demonstrada nos primeiros cem dias do governo de Jair Bolsonaro, dando prioridade ao combate ao lixo marinho ao criar o Plano de Ação Nacional de Combate ao Lixo no Mar - para o qual seriam investidos R$ 40 milhões - os ambientalistas acharam uma contradição a decisão de o país não assinar um acordo, proposto pela ONU no dia 10 deste mês, para tentar conter o problema dos plásticos na natureza.
Conversei na terça-feira (21) com Anna Carolina Lobo, gerente do Programa Marinho e Mata Atlântica do WWF Brasil, que me confirmou que o Brasil, ao lado dos Estados Unidos e de outros cinco países, optou por abrir mão de estar no grupo dos 187 que apoiaram a resolução da ONU para diminuir a produção do plástico de uso único, para fomentar pesquisas no sentido de descobrir alternativas e fazer estudos científicos para a reciclagem.
Aqui, vale um parênteses para lembrar que o Brasil e os Estados Unidos estão entre os cinco países que mais produzem lixo plástico, além da China, Índia e Indonésia. E que, segundo a ONU, “a poluição proveniente do lixo plástico atingiu proporções epidêmicas com uma estimativa de 100 milhões de toneladas de plástico encontradas atualmente nos oceanos”. Fecha o parênteses.
Uma semana depois do lançamento do Plano Nacional, em março, na cidade de Santos, veio a primeira surpresa desagradável para os ambientalistas: numa reunião de meio ambiente da ONU em Nairóbi, no Quênia, o Brasil se posicionou fortemente ao lado dos Estados Unidos, país que vem sendo contra acordos globais de meio ambiente.
Depois disso, há dez dias, o Brasil se posicionou oficialmente contrário ao “Planeta Limpo, Pessoas Saudáveis: Boa Gestão de Produtos Químicos e Resíduos”, título dado ao acordo conseguido em Genebra.
Um dos fatos que impressiona os ambientalistas na decisão tomada por Brasil e dos Estados Unidos é que os dois países não são os maiores produtores de plástico do mundo, posição ocupada por algumas nações da Ásia, como Singapura.
“É inacreditável, uma grande contradição. Foi uma surpresa para nós, porque no início do governo havia uma determinação em cuidar do tema lixo marinho. O Brasil fez um movimento de aproximação dos Estados Unidos por conta da OCDE, que agora anuncia que vai priorizar a entrada da Argentina e da Rússia”, diz Anna Carolina Lobo.
Haverá ainda uma chance, em setembro, numa nova reunião da ONU, para tentar reverter a postura do Brasil. Para isso, já está circulando na internet uma petição dirigida aos líderes mundiais para que eles estabeleçam metas rigorosas para acabar com o despejo de plástico nos oceanos até 2030. Neste caso, a importância da opinião pública é grande, porque o número de assinaturas pode ajudar a pressionar os líderes mundiais. Neste sentido, há uma certa esperança por parte dos ambientalistas.

Para ler este editorial, acesse o Blog da Amelia Gonzalez

Novidades

Moradores pedem a suspensão de obra de posto salva-vidas sobre a restinga de Itacoatiara

12/11/2019

Previstos para serem entregues este mês, os dois novos postos de salva-vidas na Praia de Piratininga...

Óleo no Nordeste: pesquisadores da Fiocruz pedem estado de emergência em saúde pública

12/11/2019

Um grupo de pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) no Nordeste está pedindo ao governo que...

Pesquisadoras da UFSCar e do Cefet criam canudo biodegradável feito de mandioca

12/11/2019

Pesquisadoras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e do Centro Federal de Educação Tecnoló...

Fotos mostram animais silvestres sendo devolvidos à natureza em Vilhena, RO

12/11/2019

Quatorze animais silvestres capturados em ruas de Vilhena (RO), durante o mês de outubro, foram devo...

Navios da Marinha chegam a Suape para reforçar o combate ao óleo que atinge o litoral

12/11/2019

Os dois maiores navios da Marinha do Brasil chegaram, odomingo (10), ao Porto de Suape, no Grande Re...

Prefeitura improvisa barreira para evitar que óleo atinja lagoa em Caucaia, no Ceará

12/11/2019

Uma nova barreira foi montada nesta sexta-feira (8) para tentar evitar que o óleo já presente na Pra...