UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Sarampo: entenda o aumento do número de casos e tire as principais dúvidas sobre a doença

10/09/2019

O sarampo registrou um aumento no número de casos no estado do Rio em 2019, o que despertou o alerta entre especialistas. A três meses do fim do ano, a quantidade de ocorrências já supera aquela verificada em 2018 e exige cuidados especiais por parte daqueles que não querem ser contaminados pela doença.
— Tivemos vários anos sem registro de sarampo no Rio - afirma Alexandre Chieppe, médico da Secretaria de Estado de Saúde — Mas, a partir de 2017, o crescimento no número de doentes tem chamado nossa atenção.

O que é o sarampo?
É uma doença infecciosa grave, aguda, causada por um vírus, altamente contagiosa e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. Sua transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio das secreções expelidas pelo doente ao tossir, espirrar, respirar e falar.
O vírus do sarampo pertence ao gênero Morbillivirus, da família Paramyxoviridae.

Como se dá o contágio?
A transmissão do sarampo é parecida com a da gripe. Ela se dá por meio do contato com tosse, espirro e outros tipos de secreção de pessoas contaminadas pelo vírus. Após o contato com o vírus, o corpo leva duas semanas para apresentar os primeiros sintomas.

Quais são os sintomas?
Os primeiros sintomas são febre alta, acima de 38,5 graus, com duração de quatro a sete dias, e manchas avermelhadas na pele, que começam no rosto e atrás das orelhas e, depois, se espalham pelo corpo. Geralmente, esses sintomas aparecem entre dez e 12 dias após o contato com o vírus e podem vir acompanhados de tosse persistente, irritação nos olhos, coriza e congestão nasal.
Nos primeiros quatro dias, as pessoas contaminadas pelo vírus apresentam febre, tosse seca, coriza, conjuntivite e fotofobia. Além disso, as manchas vermelhas na pele surgem nessa fase, acompanhadas de cansaço. Após esse primeiro período, as manchas escurecem e a resistência cai, o que deixa o paciente sujeito a infecções e outras complicações. Por isso, o recomendável é que quem apresentar febre por mais de três dias após o aparecimento de erupções na pele procure um médico.
Importante: quem está com esses sintomas e não tem certeza se está ou não com a doença deve evitar grandes aglomerações, para não permitir que o vírus se espalhe mais ainda.

Os outros 20 questionamentos podem ser lidos em O Globo

Novidades

Moradores de Vargem Grande lutam pela revitalização da Estrada do Rio Morto

19/09/2019

Para entrar ou sair de Vargem Grande , a principal via de acesso é a Estrada Vereador Alceu de Carva...

USP detecta bactérias resistentes à limpeza e celular como fonte de contaminação em UTIs

19/09/2019

Um mapeamento realizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da USP em Rib...

Adriana Calcanhotto: ´As pessoas estão comendo o plástico que jogam fora´

19/09/2019

Ano passado, quando embarcou na turnê “A mulher do Pau-Brasil”, em que falava sobre a identidade art...

Jovem baiana é primeira brasileira a ganhar prêmio global da ONU sobre meio ambiente

19/09/2019

A baiana Anna Luisa Beserra, de 21 anos, acaba se tornar a primeira brasileira a vencer o prêmio Jov...

Poluição do ar pode chegar à placenta durante a gravidez, diz estudo

19/09/2019

Um novo estudo apontou que a poluição do ar respirado por mulheres grávidas pode ir além dos pulmões...

Turismo em unidades de conservação do ICMBio aumenta, mas falta de estrutura preocupa especialistas

19/09/2019

Em 12 anos, o número de visitantes nos parques e unidades de conservação federais brasileiros cresce...