UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Amazônia concentra metade das queimadas em 2019

22/08/2019

A Amazônia concentra 52,5% dos focos de queimadas de 2019, segundo os dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O Cerrado é responsável por 30,1%, seguido pela Mata Atlântica, com 10,9%.
Nesta segunda-feira (19), a cidade de São Paulo, parte do Mato Grosso do Sul e do norte do Paraná foram afetados pela fumaça que desceu das queimadas no Brasil, e também do Paraguai. A Bolívia, a Argentina e o Peru também têm focos de incêndio. No caso da capital paulista, uma nuvem mais baixa e carregada acabou aumentando a escuridão.
O jornal "Abc Color", do Paraguai, noticiou um incêndio que começou durante o final de semana na reserva de mata nativa Três Gigantes, no Pantanal do país. Segundo a Secretária de Emergência Nacional, 70% do fogo, que se arrastou por 21 mil hectares, havia sido controlado até a manhã desta segunda-feira, mas a fumaça ainda era sentida em território brasileiro.
No último dia 10 de agosto, grupos do sul do Pará organizaram o "Dia do Fogo". Durante o final de semana, fazendeiros passaram a anunciar as queimadas, revelação do jornal local "Folha do Progresso", da cidade de Novo Progresso.
As medições do Inpe confirmaram o pico de queimadas (veja imagem acima). Novo Progresso, junto com o município de Altamira, liderou o número de focos durante aquele final de semana. As duas cidades também estão entre as mais atingidas neste mês.
O pesquisador do Programa Queimadas do Inpe, Alberto Setzer, diz que as queimadas na região do Mato Grosso são comuns, mas "neste ano queimam mais do que em anos anteriores". O calor e o clima seco contribuem para espalhar o fogo, que é causado, segundo ele, por ação humana não-intencional ou criminosa.
O Corpo de Bombeiros do estado está sobrecarregado. São 1,4 mil militares no Mato Grosso, sendo que 22 dos 141 municípios têm base dos bombeiros. Como o G1 mostrou acima, já são mais 13 mil focos de janeiro a agosto.
"É humanamente impossível atender todas as ocorrências que chegam, se tivermos de 30 a 40 queimadas urbanas em um dia, por exemplo. Vamos atendendo até quando o efetivo der", afirmou o major Antônio Marco Guimarães ao G1 Mato Grosso.

Esta matéria na íntegra pode ser lida no G1

Novidades

Moradores de Vargem Grande lutam pela revitalização da Estrada do Rio Morto

19/09/2019

Para entrar ou sair de Vargem Grande , a principal via de acesso é a Estrada Vereador Alceu de Carva...

USP detecta bactérias resistentes à limpeza e celular como fonte de contaminação em UTIs

19/09/2019

Um mapeamento realizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da USP em Rib...

Adriana Calcanhotto: ´As pessoas estão comendo o plástico que jogam fora´

19/09/2019

Ano passado, quando embarcou na turnê “A mulher do Pau-Brasil”, em que falava sobre a identidade art...

Jovem baiana é primeira brasileira a ganhar prêmio global da ONU sobre meio ambiente

19/09/2019

A baiana Anna Luisa Beserra, de 21 anos, acaba se tornar a primeira brasileira a vencer o prêmio Jov...

Poluição do ar pode chegar à placenta durante a gravidez, diz estudo

19/09/2019

Um novo estudo apontou que a poluição do ar respirado por mulheres grávidas pode ir além dos pulmões...

Turismo em unidades de conservação do ICMBio aumenta, mas falta de estrutura preocupa especialistas

19/09/2019

Em 12 anos, o número de visitantes nos parques e unidades de conservação federais brasileiros cresce...