UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Usar dias frios para negar aquecimento global não faz sentido, indica pesquisa

13/08/2019

A briga já se tornou habitual, principalmente nas redes sociais: diante de um dia mais frio, uma anormal frente fria ou um inverno mais rigoroso que o normal, negadores do aquecimento global aproveitam para atacar pesquisas sobre o assunto.
Cientistas da área, contudo, apontam justamente o contrário: tais fenômenos meteorológicos são evidência clara de que o aquecimento global existe, de que se trata de uma crise ambiental grave e de que estamos vivendo um período catastrófico, na iminência de um colapso climático.
A revista "Nature Climate Change" desta segunda-feira (12) traz mais uma pesquisa a se somar às tantas realizadas sobre o tema.
O trabalho — desenvolvido por cientistas da Universidade de Exeter, na Inglaterra, da Universidade de Groningen, na Holanda, do Centro Canadense para Análise Climática, no Canadá, do Instituto Meteorológico Real da Holanda e do Instituto de Pesquisa de Energia e Sustentabilidade em Groningen, também da Holanda — concluiu que mesmo as ondas de frio estão no contexto da crise ambiental do aquecimento global.
Os cientistas também apontam que os dias mais frios têm sido exceção, não regra. "Não tem havido um aumento global nos invernos frios, em tendências de longo prazo", afirma à BBC News Brasil o pesquisador Russell Blackport, da Faculdade de Engenharia, Matemática e Ciências Físicas da Universidade de Exeter.
"Houve algumas regiões que tiveram alguns invernos particularmente severos na última década, mas estes são aumentos de curto prazo, que refletem a variabilidade natural. Tendências de longo prazo mostram que os invernos frios extremos estão se tornando menos frequentes, e isso é consistente com o aumento das temperaturas globais."
Diversos estudos científicos comprovam que o planeta ficou 1 grau Celsius mais quente nos últimos 100 anos. Métricas mostram que, desde os anos 1980, dias com recorde máximo de temperatura têm sido mais frequentes do que dias com recorde mínimo de temperatura - independentemente da região do planeta.
Contudo, um dia mais quente no Ártico pode trazer frio para regiões contíguas. Ou seja: para a Europa e a América do Norte. É um fenômeno físico: o calor acaba fazendo com que o ar frio, antes concentrado no Ártico, se espalhe por outras regiões.

Saiba mais no G1

Novidades

Animal marinho ´posa para foto´ na Praia de Camboinhas e volta para o mar

22/08/2019

Um animal marinho foi avistado na praia de Camboinhas, em Niterói, na região metropolitana do Rio, n...

Fundação Parques e Jardins tem quatro mil mudas para plantar no Rio

22/08/2019

A comoção que causa o corte de uma árvore só é comparada à de quando se vê bicho sendo maltratado na...

Fenômeno ótico que escureceu SP é uma das consequências das queimadas na Amazônia

22/08/2019

Uma frente fria apresentou ao paulistano o céu de chumbo produzido pelo calor das queimadas que arde...

Análises confirmam presença de partículas de queimadas maior do que o normal em água de chuva preta de SP

22/08/2019

Análises técnicas feitas por duas universidades mostraram que a água da chuva de cor escura, coletad...

SP tem 90 novas áreas desmatadas de Mata Atlântica nos últimos 5 anos, aponta relatório

22/08/2019

A cidade de São Paulo somou pelo menos 90 novas áreas de Mata Atlântica desmatadas nos últimos 5 ano...

Superbactérias são encontradas pela primeira vez fora do ambiente hospitalar em SP

22/08/2019

Superbactérias que até agora só eram encontradas em ambiente hospitalar foram detectadas em pessoas ...