UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Brasil precisa investir R$ 20 bi anuais para universalizar saneamento até 2033

06/12/2018

Foram quase dois anos de negociação até que se chegasse ao texto da MP 844, que estabelecia novo marco regulatório para o saneamento básico no Brasil. Em julho, finalmente, a medida provisória foi encaminhada ao Congresso Nacional. Em novembro, perdeu vigência, adiando mais uma vez as mudanças necessárias para que o Brasil consiga sair do século XIX no que se refere a fornecimento de água e a coleta e tratamento de esgoto.
O país tem como meta universalizar o saneamento básico até 2033, mas pouco menos de 52% da população têm acesso à coleta de esgoto, e o tratamento atinge apenas 45% do volume produzido. Existem mais de 600 obras paradas e, para atingir a meta de universalização dentro do prazo, seria preciso investir R$ 20 bilhões por ano. Nos últimos anos, porém, os aportes mal chegaram a R$ 12 bilhões. Nesse ritmo, a meta só seria atingida em 2054.
Para destravar essas obras e ampliar a cobertura dos serviços de saneamento,atrair o capital privado é considerado fundamental, uma vez que União e estados atravessam grave crise fiscal. O texto da MP que caducou estabelecia normas mais claras para a participação da iniciativa privada. Também nomeava a Agência Nacional de Águas (ANA) como órgão regulador geral do saneamento no país, responsável pela edição de exigências técnicas mínimas a serem seguidas pelos concessionários e pelos reguladores estaduais e municipais.
Agora, a expectativa do setor é que seja apresentado um projeto de lei que preserve os avanços do texto encaminhado ao Congresso e aperfeiçoe alguns pontos. A grande polêmica provocada pela MP 844 foi o artigo que tornava obrigatória a realização de chamada pública para renovação de contratos de serviços de saneamento com as companhias estaduais e de licitação no caso de haver interesse de empresas privadas em assumir o serviço.
Pensada para estimular a competição, essa mudança, dizem as companhias estaduais de saneamento, poderia colocar em risco o chamado subsídio cruzado, mecanismo pelo qual a operação dos municípios mais rentáveis viabiliza a oferta do serviço nas cidades pequenas e pobres.
O temor das empresas estaduais é que a iniciativa privada fique com o “filé mignon" — capitais e cidades com renda mais alta —, deixando para o setor público as operações deficitárias.

A matéria pode ser lida em O Globo

Novidades

Rio de Janeiro é o estado com a pior adesão do país na vacinação contra a gripe

23/05/2019

O Rio de Janeiro é o estado com a pior adesão a vacina da gripe em todo o país e grande parte da pop...

Prefeitura de Niterói anuncia investimento de R$ 200 milhões para dragagem do Canal de São Lourenço

23/05/2019

A prefeitura de Niterói anunciou que investirá R$ 200 milhões na dragagem do Canal de São Lourenço ,...

RedesFito lança livro que destaca o conhecimento popular sobre plantas medicinais no extremo sul da Bahia

23/05/2019

O lançamento do livro Conhecimento Popular de Plantas Medicinais do Extremo Sul da Bahia aconteceu n...

Movelaria, extração de óleo, produção de mudas: os bons exemplos de interação com a Amazônia

23/05/2019

A produção de alimentos e a extração de madeira e de outros produtos da Amazônia pode seguir regras ...

Ministério Público pede apuração das ´consequências´ da política ambiental do governo

23/05/2019

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou esta terça-feira uma representação para que o Tribunal d...

Brasil não assina acordo global para limitar o uso do plástico

23/05/2019

A julgar pela disposição demonstrada nos primeiros cem dias do governo de Jair Bolsonaro, dando prio...