UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Estudo associa a cor da casca do ovo do Aedes aegypti com sua sobrevivência em locais secos

12/06/2018

Uma relação inusitada pode ajudar a compreender melhor o ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti – transmissor de doenças como a dengue, chikungunya, febre amarela e zika – e, quem sabe assim, levar a soluções mais eficazes para combatê-lo: quanto mais escura é a casca do ovo de um mosquito, mais tempo ele sobrevive em ambientes secos. E justamente por ser bem escura, a casca do Aedes aegypti parece proteger melhor o mosquito e fazer com que ele resista mais tempo fora da água, por até um ano. Essa característica, de resistir tanto tempo em ambientes secos, dificulta bastante o combate ao mosquito. Essa foi a conclusão de um estudo interinstitucional, que envolve pesquisadores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, e que teve como desdobramento a publicação de artigo na revista científica PLOS Neglected Tropical Diseases (confira o link aqui).
“Uma das causas da maior resistência do Aedes aegypti, quando comparamos com outras espécies de mosquito, é a grande quantidade de melanina presente na casca dos seus ovos. Esse pigmento, também encontrado na pele humana, é responsável pela cor escura dos ovos, que são pretos”, resumiu o coordenador do estudo, o biomédico e professor Gustavo Lazzaro Rezende, do Centro de Biociências e Biotecnologia da Uenf. Também fazem parte do grupo de pesquisa as doutoras Denise Valle – que foi a orientadora de doutorado de Gustavo – e Luana Farnesi, ambas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), além da doutoranda Helena Vargas, do Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia da Uenf.
Os ovos do Aedes aegypti são bem pequenos – medem cerca de 0,6 mm – e adquirem rapidamente resistência contra a perda de água. Passadas apenas 15 horas da postura, eles já são capazes de resistir a longos períodos de ressecamento, podendo sobreviver por até um ano em ambientes secos.

A matéria pode ser lida no site da Faperj

Novidades

Ilha em Cagarras, perto de Ipanema, registra recorde de fragatas

17/01/2019

Uma série de estudos realizados no Arquipélago das Cagarras estima que a Ilha Redonda, a cerca de 10...

Falta de lixeiras provoca protesto bem-humorado de moradores de Copacabana

17/01/2019

O movimento de tirar uma foto com as escassas lixeiras do bairro teve início no grupo Copacabana Ale...

Acidentes envolvendo escorpiões na cidade de SP crescem 37% em 2018

17/01/2019

Acidentes envolvendo escorpiões na cidade de São Paulo cresceram 37% em 2018, no comparativo com o a...

Eldorado, no interior de SP, registra uma morte por suspeita de febre amarela

17/01/2019

A cidade de Eldorado, no interior de São Paulo, registrou uma morte com suspeita de febre amarela de...

Sucuri de 2 metros é resgatada por bombeiros e escapa de ser triturada em tanque de estação de esgoto em MS

17/01/2019

Um filhote de sucuri foi resgatado pelos bombeiros de dentro de um tanque de uma empresa de tratamen...