UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Estudo associa a cor da casca do ovo do Aedes aegypti com sua sobrevivência em locais secos

12/06/2018

Uma relação inusitada pode ajudar a compreender melhor o ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti – transmissor de doenças como a dengue, chikungunya, febre amarela e zika – e, quem sabe assim, levar a soluções mais eficazes para combatê-lo: quanto mais escura é a casca do ovo de um mosquito, mais tempo ele sobrevive em ambientes secos. E justamente por ser bem escura, a casca do Aedes aegypti parece proteger melhor o mosquito e fazer com que ele resista mais tempo fora da água, por até um ano. Essa característica, de resistir tanto tempo em ambientes secos, dificulta bastante o combate ao mosquito. Essa foi a conclusão de um estudo interinstitucional, que envolve pesquisadores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, e que teve como desdobramento a publicação de artigo na revista científica PLOS Neglected Tropical Diseases (confira o link aqui).
“Uma das causas da maior resistência do Aedes aegypti, quando comparamos com outras espécies de mosquito, é a grande quantidade de melanina presente na casca dos seus ovos. Esse pigmento, também encontrado na pele humana, é responsável pela cor escura dos ovos, que são pretos”, resumiu o coordenador do estudo, o biomédico e professor Gustavo Lazzaro Rezende, do Centro de Biociências e Biotecnologia da Uenf. Também fazem parte do grupo de pesquisa as doutoras Denise Valle – que foi a orientadora de doutorado de Gustavo – e Luana Farnesi, ambas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), além da doutoranda Helena Vargas, do Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia da Uenf.
Os ovos do Aedes aegypti são bem pequenos – medem cerca de 0,6 mm – e adquirem rapidamente resistência contra a perda de água. Passadas apenas 15 horas da postura, eles já são capazes de resistir a longos períodos de ressecamento, podendo sobreviver por até um ano em ambientes secos.

A matéria pode ser lida no site da Faperj

Novidades

Unidades do projeto Naves do Conhecimento fecham por falta de repasse de verbas

16/08/2018

Unidades do projeto Naves do Conhecimento interromperam o funcionamento por causa da falta de repass...

Pato ameaçado de extinção se reproduz de forma natural pela primeira vez em cativeiro

16/08/2018

O Zoológico de Itatiba (SP) registrou pela primeira vez a reprodução por meio natural de pato-mergul...

Cobras exóticas são resgatadas pela PM dentro de guarda-roupas e embaixo de cama no Paraná

16/08/2018

A Polícia Militar (PM) Ambiental resgatou duas cobras exóticas – uma delas solta dentro de um guarda...

Estudo relaciona paraísos fiscais com o desmatamento da Amazônia

16/08/2018

Os paraísos fiscais são conhecidos por proteger a identidade e oferecer impostos baixos a políticos ...

Cientistas brasileiros descobrem fósseis de crocodilo de 70 milhões de anos

16/08/2018

Quando, em 1936, o pesquisador Mathias de Oliveira Roxo encontrou dois dentes e uma tíbia que supost...

Vírus da zika chegou ao Brasil vindo do Haiti, revela estudo da Fiocruz

16/08/2018

O vírus da zika, que levou a um dramático aumento no número de nascimentos de bebês com microcefalia...