UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Prefeitura cria Fundo de Mobilidade Urbana e transporte aquaviário volta a ser planejado

08/02/2018

Há duas semanas, o prefeito Marcelo Crivella sancionou a lei 6.320, que determina a criação do Fundo de Mobilidade Urbana Sustentável do Rio de Janeiro. A prefeitura pretende usar a receita de pagamentos de multas de trânsito, além de outros recursos, para custear projetos que visam a melhorar o transporte da cidade. Muitas das propostas são genéricas. O único projeto especificado é o desenvolvimento do transporte aquaviário no Complexo Lagunar da Baixada de Jacarepaguá, ideia que volta à pauta poucos meses depois de um Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) sobre o assunto ter sido revogado porque os interessados em explorá-lo não apresentaram estudos de viabilidade. O fato é que poucos detalhes acerca do projeto foram revelados pelo poder público até agora. Enquanto se debate sobre o funcionamento do fundo na prática e as dúvidas em torno do transporte aquaviário não são esclarecidas, moradores e lideranças comunitárias da Barra e dos bairros vizinhos elencam demandas que consideram prioritárias relacionadas à mobilidade urbana.
A lei foi uma iniciativa do Poder Executivo e recebeu uma série de emendas de parlamentares. Na última sessão do ano passado, a Câmara Municipal aprovou a criação do fundo. Na sanção, Crivella vetou dois artigos: o que previa aplicação dos recursos em educação do trânsito, por “não ser de interesse público” e ser contemplado em outros dispositivos; e o que estabelecia investimentos na expansão do metrô até o Recreio, por ser uma obra de competência estadual. A emenda para a aplicação na Linha 4 foi do vereador Carlo Caiado, autor também de outra proposta, justamente a relacionada ao desenvolvimento do transporte aquaviário.
O projeto do modal no complexo lagunar da Barra foi um dos primeiros anunciados por Crivella, no início de seu mandato. A princípio, o trajeto seria entre o condomínio Península, onde mora o prefeito, e a estação de metrô Jardim Oceânico, e feito numa embarcação do tipo hovercraft, que pode transportar cerca de cem passageiros sentados e plana sobre a lâmina d’água, o que driblaria o assoreamento da Lagoa da Tijuca, capaz de impedir a navegação de outros tipos de embarcação. A prefeitura chegou a publicar um PMI para atrair interessados em desenvolver a proposta. Mas, no fim de novembro, revogou-o, pois, segundo o município, os estudos necessários não foram apresentados dentro do prazo.
Desde o início, moradores e especialistas demonstravam ceticismo em relação ao projeto, principalmente por causa do assoreamento da Lagoa da Tijuca. Para o presidente da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, Delair Dumbrosck, não adianta pensar no transporte aquaviário sem antes se limpar a lagoa. Ele lembra que a Câmara defende a causa desde os tempos de Cesar Maia.
— Na época, fomos à Brasília, porque o município não tinha dinheiro. Nós inserimos a proposta do transporte aquaviário no meio do projeto de dragagem, como uma forma de viabilizar o retorno do investimento. Depois, o Paes chegou a baixar um decreto que definia os locais de rede de abastecimento para os barcos na lagoa. A ideia não é nova, já houve vários estudos, mas nunca nada foi feito. Com a Olimpíada, contávamos com a dragagem, que não aconteceu — diz Dumbrosck.

Leia a matéria em O Globo

Novidades

Inea avalia região afetada por vazamento de óleo para saber quais espécies foram atingidas

11/12/2018

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) ainda não conseguiu mensurar a dimensão da área contaminada ...

Imagens mostram extensão de vazamento de óleo em duto da Petrobras no RJ

11/12/2018

Imagens do projeto de monitoramento ambiental Olho Verde, feitas pelo biólogo Mário Moscatelli, most...

Tentativa de furto provoca vazamento de 60 mil litros de óleo na Baía de Guanabara

11/12/2018

O vazamento de 60 mil litros de óleo que atingiu a Baía de Guanabara, na tarde de sábado, foi provoc...

Uerj, Inea e FAO assinam acordo para monitoramento ambiental em Ilha Grande

11/12/2018

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o Instituto Estadual de Ambiente (Inea-RJ) e a Or...

Carpas que chupam chupeta conquistam visitantes de restaurante em Jundiaí

11/12/2018

A pescaria em um restaurante de Jundiaí (SP) é um pouco diferente da tradicional: de um lado a varin...