UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Cientistas transformam cerveja em combustível para automóveis

07/12/2017

Na luta contra as mudanças climáticas, a busca por substitutos do petróleo é urgente. Nesse sentido, químicos da Universidade de Bristol, no Reino Unido, deram os primeiros passos no desenvolvimento de um novo combustível para o setor de transporte, usando a cerveja como ingrediente principal.
Uma das alternativas tem no Brasil, o bioetanol. Contudo, ele não é o substituto ideal para o petróleo, por ter gerar menos energia, se misturar facilmente com a água e ser corrosivo para os motores. Existe ainda o butanol, mas ele é dificilmente obtido de fontes renováveis.
Por anos, os pesquisadores de Bristol buscaram por uma forma de converter o etanol em butanol. Em laboratório, com etanol puro, a técnica já foi desenvolvida, mas para ser escalada ela precisa ser adaptada às condições reais, com caldos de fermentação cheios de água e outras impurezas.
— O álcool em bebidas alcoólicas é na verdade o etanol, exatamente a molécula que queremos converter em butanol como substituto do petróleo — disse o professor Duncan Wass, líder das pesquisas. — Então as bebidas alcoólicas são o modelo ideal para a fermentação industrial do etanol. E o etanol para combustíveis é essencialmente feito por um processo de fabricação de cerveja. Se a nossa tecnologia funciona com bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja que é o melhor modelo, então ela mostra que tem potencial para ser escalada para produção de butanol como substituto do petróleo em escala industrial.
A tecnologia usada para converter o etanol em butanol é conhecido como catalisador, químicos usados para acelerar e controlar uma reação química. E o catalisador desenvolvido em Bristol é capaz de converter cerveja, especificamente o álcool na cerveja, em butanol. Ao comprovar o funcionamento do catalisador com uma mistura real de etanol, os pesquisadores demonstraram que a tecnologia pode ser escalada.
— Nós não desejamos usar realmente a cerveja em escala industrial para competir com a produção de alimentos — ponderou Wass. — Mas existem formas de obter etanol para combustíveis da fermentação que produza algo parecido quimicamente com a cerveja, então a cerveja é um excelente modelo disponível para testar a nossa tecnologia.
O próximo passo é testar o processo em grande escala, e, segundo o cronograma dos pesquisadores, isso deve levar cinco anos.

Fonte: O Globo

Novidades

Vigilância Sanitária começa a multar estabelecimentos com canudos plásticos

20/09/2018

A partir desta terça-feira, 18 de setembro, quem desobedecer à lei que proíbe canudos de plástico em...

Planetário da Gávea recebe evento sobre sustentabilidade com mais de 20 atividades

20/09/2018

O Planetário da Gávea recebe, a partir desta quinta-feira, a mostra Sesc + Verde, com mais de 20 ati...

Gatos resgatados de escombros no Maracanã continuam à espera de um dono

20/09/2018

Um ano se passou sem que um ato de crueldade contra animais indefesos fosse esquecido. Na madrugada ...

Polícia Ambiental prende 22 acusados de loteamento e venda ilegais em Vargem Grande

20/09/2018

Uma operação do Comando de Polícia Ambiental (Cpam) terminou com 22 pessoas presas em flagrante nest...

Onça com bacia fraturada é levada à Mata Ciliar em Jundiaí

20/09/2018

Uma onça foi levada à Associação Mata Ciliar, em Jundiaí (SP), após ter sido atropelada e ter a baci...

Pesquisadores usam drones na BA para analisar baleias durante temporada de reprodução

20/09/2018

Pesquisadores começarama a usar uma câmera instalada em um drone para analisar o comportamento de ba...