UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Cientistas transformam cerveja em combustível para automóveis

07/12/2017

Na luta contra as mudanças climáticas, a busca por substitutos do petróleo é urgente. Nesse sentido, químicos da Universidade de Bristol, no Reino Unido, deram os primeiros passos no desenvolvimento de um novo combustível para o setor de transporte, usando a cerveja como ingrediente principal.
Uma das alternativas tem no Brasil, o bioetanol. Contudo, ele não é o substituto ideal para o petróleo, por ter gerar menos energia, se misturar facilmente com a água e ser corrosivo para os motores. Existe ainda o butanol, mas ele é dificilmente obtido de fontes renováveis.
Por anos, os pesquisadores de Bristol buscaram por uma forma de converter o etanol em butanol. Em laboratório, com etanol puro, a técnica já foi desenvolvida, mas para ser escalada ela precisa ser adaptada às condições reais, com caldos de fermentação cheios de água e outras impurezas.
— O álcool em bebidas alcoólicas é na verdade o etanol, exatamente a molécula que queremos converter em butanol como substituto do petróleo — disse o professor Duncan Wass, líder das pesquisas. — Então as bebidas alcoólicas são o modelo ideal para a fermentação industrial do etanol. E o etanol para combustíveis é essencialmente feito por um processo de fabricação de cerveja. Se a nossa tecnologia funciona com bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja que é o melhor modelo, então ela mostra que tem potencial para ser escalada para produção de butanol como substituto do petróleo em escala industrial.
A tecnologia usada para converter o etanol em butanol é conhecido como catalisador, químicos usados para acelerar e controlar uma reação química. E o catalisador desenvolvido em Bristol é capaz de converter cerveja, especificamente o álcool na cerveja, em butanol. Ao comprovar o funcionamento do catalisador com uma mistura real de etanol, os pesquisadores demonstraram que a tecnologia pode ser escalada.
— Nós não desejamos usar realmente a cerveja em escala industrial para competir com a produção de alimentos — ponderou Wass. — Mas existem formas de obter etanol para combustíveis da fermentação que produza algo parecido quimicamente com a cerveja, então a cerveja é um excelente modelo disponível para testar a nossa tecnologia.
O próximo passo é testar o processo em grande escala, e, segundo o cronograma dos pesquisadores, isso deve levar cinco anos.

Fonte: O Globo

Novidades

Esgoto é lançado ‘in natura’ no Canal do Jardim de Alah

06/12/2018

Um vídeo postado em rede social denuncia grande volume de esgoto sendo despejado no canal do Jardim ...

Lacre plástico faz golfinho em extinção morrer de fome na costa de SP

06/12/2018

Uma toninha (Pontoporia blainvillei), espécie de golfinho de menor porte, foi encontrada com um lacr...

Canudos plásticos estão proibidos em todo o Espírito Santo

06/12/2018

Os estabelecimentos do Espírito Santo só poderão comercializar e dar aos clientes canudos descartáve...

Brasil precisa investir R$ 20 bi anuais para universalizar saneamento até 2033

06/12/2018

Foram quase dois anos de negociação até que se chegasse ao texto da MP 844, que estabelecia novo mar...

Cientista brasileiro descobre na Antártida bactérias que podem ajudar na luta contra o câncer

06/12/2018

Com uma área de 14 milhões de quilômetros quadrados - uma vez e meia maior do que a do Brasil - quas...