UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Sem barco para fiscalizar, Ilha Grande está desprotegida

08/10/2019

Com belezas e biodiversidade distribuídas por 193 quilômetros quadrados, a Ilha Grande há muito tempo não é um paraíso isolado, e hoje já abriga uma população de cerca de sete mil habitantes. Mas zelar pela região, que tem título de Patrimônio Mundial da Unesco, não vem sendo fácil. Os órgãos de fiscalização não contam sequer com um barco para percorrer as muitas praias da ilha, ameaçada sobretudo pela expansão imobiliária desenfreada e irregular. A Superintendência Regional da Baía da Ilha Grande (Subpig), do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) trabalham em condições precárias. Não há sequer perspectiva de quando haverá recursos para adquirir novas embarcações.
Há mais de um ano os dois órgãos estão sem lanchas, fundamentais para cuidar do vasto e rico território que já foi terra dos índios Tamoios. O Ibama, por exemplo, perdeu até sua sede, na Avenida Júlio Cesar de Noronha 317, no Centro de Angra dos Reis, interditada pela Defesa Civil em 27 de maio. Com goteiras e ameaçada de desabamento, a construção teve que ser esvaziada. Hoje, três dos seis funcionários trabalham, sem internet, numa minúscula sala cedida pelo Inea na Avenida Luigi Amendola 326, também no Centro. Como o espaço é apertado, os outros funcionários dão expediente em casa e usam os próprios telefones para manter a rotina da repartição.
O Instituto Estadual do Ambiente informou, por meio de nota, que atua na Ilha Grande com fiscalização constante.
"As equipes da superintendência regional do órgão e das unidades de conservação, administradas pelo instituto, são atendidas por embarcação própria do Inea (que está sendo usada pelo Parque Estadual da Ilha Grande). Há uma lancha que foi encontrada parada por esta gestão e entrará em manutenção. O instituto informa que administra o Parque Estadual da Ilha Grande. A fiscalização e o monitoramento, na área de abrangência da unidade de conservação, são feitos por servidores do órgão e por guarda-parques. O parque realiza ações de fiscalização rotineiras em terra e por mar.", disse o Inea.
Advogado especializado em direito ambiental e integrante do Grupo Ação Ecológica (GAE), Rogério Zouein diz que a falta de embarcações deixa a fiscalização em situação crítica diante da complexidade da ilha.
— Na Ilha Grande, cuja grandiosidade geográfica dificulta a fiscalização, é fundamental ter permanentemente uma estrutura de administração e fiscalização com lanchas. Só assim é possível atuar não só punitivamente, mas de forma educativa e preventiva. A situação atual é inaceitável — critica Zouein.

Leia mais em O Globo

Novidades

Arrecadação de tampinhas plásticas paga castração de cães e gatos abandonados em projeto de ONG

20/02/2020

Faltou água de qualidade no Rio, mas choveram tampinhas de plástico na Rio Eco Pets. Com a crise no ...

Cedae pagou quase R$ 200 milhões em indenizações trabalhistas em três anos

20/02/2020

Em evidência nos últimos meses por conta da crise no fornecimento de água e também pela iminente pri...

Fiscalização apreende 105kg de peixes e multa pescadores profissionais em R$ 5,6 mil por captura durante a piracema

20/02/2020

A Polícia Militar Ambiental apreendeu 105 quilos de peixes durante fiscalização às margens do Rio Pa...

Filhotes de araçari são resgatados por moradores após coqueiro ser cortado em MT

20/02/2020

Dois filhotes de araçari e um jabuti foram resgatados depois de serem encontrados por moradores em C...

Em risco de extinção, filhotes de pacarana são achados vagando em Centro de cidade no interior do Acre

20/02/2020

Um casal de filhotes de pacarana foi resgatado, na noite de segunda-feira (17), vagando pela rua no ...

MPF pede que BNDES explique veto a participação de filiados a partidos ou a sindicatos em projetos do Fundo Amazônia

20/02/2020

O Ministério Público Federal (MPF) enviou um pedido de esclarecimentos ao Banco Nacional de Desenvol...