UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Um ‘mar’ de gigogas toma as areias da Praia da Barra

11/06/2019

Na semana em que o mundo celebrou o Dia do Meio Ambiente (na quarta-feira), uma grande proliferação de gigogas no complexo lagunar de Jacarepaguá deixou o Rio sem clima para comemorações. Desde segunda-feira, a Comlurb recolheu 118 toneladas da planta na Praia da Barra.
As gigogas, que se proliferam rapidamente quando há despejo de esgoto, alcançaram a praia por conta das chuvas e dos ventos dos últimos dias. Quem mora na região diz que o volume de plantas aumentou drasticamente ao longo de duas semanas. A única ecobarreira das lagoas da Tijuca, de Jacarepaguá e de Marapendi não foi suficiente, e, apesar do esforço de garis, ontem elas continuavam avançando por canais e tomando a areia.
— Na maré baixa, se não houver uma barreira eficiente para segurar essas plantas nas lagoas, elas chegam à orla da Barra. E, dependendo da quantidade, podem atingir também as praias da Zona Sul. Infelizmente, não podemos dizer que se trata de uma situação nova para a cidade — disse o biólogo Mario Moscatelli, especialista nos ecossistemas da região. — Desta vez, o que mais me impressionou foi a enorme quantidade de lixo misturado às gigogas. É um perigo para os banhistas porque há de tudo, até agulhas, seringas e cacos de vidro.
Moscatelli, que acompanhou o trabalho dos garis, alertou que a situação não mudará sem uma política pública eficiente, que universalize a coleta de esgoto na região. Outra questão crítica, segundo o biólogo, é a falta de manutenção das barreiras ecológicas instaladas nas lagoas:
— A que existe na Lagoa da Tijuca está nas últimas, foi um quebra-galho que veio da Baía de Guanabara para substituir a que afundou na época da Olimpíada de 2016. Até hoje as autoridades não colocaram outra.
A despoluição do complexo lagunar de Jacarepaguá fazia parte do caderno de encargos dos Jogos. No entanto, o projeto, que foi orçado em R$ 673 milhões e tinha como um de seus objetivos a dragagem de 5,7 milhões de metros cúbicos de dejetos (quantidade suficiente para encher sete Maracanãs), acabou sendo abandonado.
Em nota, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) afirmou ontem que a Praia da Barra está liberada para banho, menos nos trechos em frente ao Quebra-Mar, à Rua Sargento João de Faria e ao 2º Grupamento do Corpo de Bombeiros. Além disso, o órgão informou que realizou uma vistoria recentemente no complexo lagunar de Jacarepaguá e que a ecobarreira instalada na altura do Itanhangá “está em operação”. “Serviços de melhorias para o equipamento e de implantação de novas ecobarreiras se encontram estão em fase de licitação”, destacou o Inea.
Enquanto há despejo de esgoto in natura nas lagoas, uma briga entre a prefeitura e a Cedae pelo saneamento de parte da região parece estar longe do fim. Em um Termo de Ajustamento de Conduta firmado junto ao Ministério Público Federal, a empresa se comprometeu a investir R$ 281 milhões em equipamentos.
O problema para a Cedae é que os equipamentos teriam de ser operados pela prefeitura. Isso porque, em 2007, foi assinado um Termo Recíproco de Direitos e Obrigações entre a prefeitura e a empresa, segundo o qual cabe ao município a responsabilidade pelo saneamento nas favelas da região.
Hoje, a prefeitura move uma ação civil pública contra a Cedae, com o objetivo de obter 7,5% de sua receita mensal bruta obtida no município do Rio, conforme um modelo adotado no Estado de São Paulo.

Fonte: O Globo

Novidades

Esquecido, o velho Campo de Santana ganha uma esperança

19/11/2019

A chuva fina no feriado de ontem tornava ainda mais melancólico o clima no Campo de Santana. Nada fa...

Hotel Nacional reabre com filosofia de resort urbano e planos de transformar jardim de Burle Marx em praça

19/11/2019

Só de lobby, são 3 mil metros quadrados. Junto à decoração clean, figuram obras de arte originais, c...

Pescadores da Praia do Sossego serão realocados em local próximo

19/11/2019

Dando um desfecho para uma disputa judicial que se arrastou por 24 anos, um acordo firmado pela 4ª V...

Inpe vai pesquisar possibilidade de manchas escuras no litoral serem piche em vez de óleo

19/11/2019

Um grupo de pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) estuda a possibilidade...

Tubarão de 150 kg é capturado ´sem querer´ e surpreende grupo em SP

19/11/2019

Um tubarão pesando mais de 150 kg foi capturado em uma rede em Guarujá, no litoral de São Paulo, no ...

Bombeiros desmontam peças de carro para resgatar tamanduá em motor em MT

19/11/2019

Um tamanduá-mirim foi resgatado depois de ficar preso no motor de um carro no sábado (16) em Sinop, ...