UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Cientista brasileiro descobre na Antártida bactérias que podem ajudar na luta contra o câncer

06/12/2018

Com uma área de 14 milhões de quilômetros quadrados - uma vez e meia maior do que a do Brasil - quase totalmente cobertos com uma camada de gelo de 2,1 quilômetros de espessura em média (mas que em alguns pontos pode chegar a quase cinco quilômetros), e mais 20 milhões de quilômetros quadrados de mar congelado no inverno e 1,6 no verão, a vastidão gelada da Antártida é um ambiente extremo. Mas por isso mesmo, é uma região propícia para o surgimento e evolução de espécies únicas, com metabolismos exóticos, que aumentam as chance de desenvolvimento - e descoberta - de novas substâncias, que podem dar origem a novas drogas para o tratamento de várias doenças, entre elas o câncer.
Foi justamente o que descobriu o pesquisador Leonardo José Silva, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba, ao estudar bactérias que vivem na gramínea Deschampsia antarctica, que só existe na Antártida. Ele viajou para o continente entre novembro e dezembro de 2014 com um grupo de outros pesquisadores brasileiros. Ali, coletou pequenas amostras de solo, acondicionou as amostras em sacos plásticos herméticos e as guardou em um ultrafreezer, a - 80 ºC (negativos).
Depois, ao estudar as bactérias na gramínea, constatou que várias delas produzem compostos capazes de inibir o desenvolvimento do glioma (um tipo de câncer que ocorre no cérebro e na medula espinhal), tumores na mama e no pulmão. A pesquisa toda foi realizada entre fevereiro de 2014 e julho de 2018.
A viagem de Silva foi de prospecção - no caso dele, de busca por compostos bioativos. Segundo ele, as atividades de prospecção podem ser realizadas em qualquer ambiente. "No entanto, as chances da descoberta de novas substâncias, capazes de auxiliar o desenvolvimento de fármacos, controladores biológicos de pragas agrícolas ou mesmo enzimas para promover o benefício a um determinado processo industrial, são aumentadas quando procuramos em um local pouco explorado, como por exemplo o continente antártico", diz.
Isso ocorre porque aquela região inóspita concilia fatores importantes para o estabelecimento de vias metabólicas inusitadas, como, por exemplo, condições ambientais extremas, baixo fluxo gênico, espécies endêmicas (que só existem lá) e pouca influência humana, que podem favorecer a produção de substâncias de importância biotecnológica.

A matéria pode ser lida no G1

Novidades

Inea avalia região afetada por vazamento de óleo para saber quais espécies foram atingidas

11/12/2018

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) ainda não conseguiu mensurar a dimensão da área contaminada ...

Imagens mostram extensão de vazamento de óleo em duto da Petrobras no RJ

11/12/2018

Imagens do projeto de monitoramento ambiental Olho Verde, feitas pelo biólogo Mário Moscatelli, most...

Tentativa de furto provoca vazamento de 60 mil litros de óleo na Baía de Guanabara

11/12/2018

O vazamento de 60 mil litros de óleo que atingiu a Baía de Guanabara, na tarde de sábado, foi provoc...

Uerj, Inea e FAO assinam acordo para monitoramento ambiental em Ilha Grande

11/12/2018

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o Instituto Estadual de Ambiente (Inea-RJ) e a Or...

Carpas que chupam chupeta conquistam visitantes de restaurante em Jundiaí

11/12/2018

A pescaria em um restaurante de Jundiaí (SP) é um pouco diferente da tradicional: de um lado a varin...