UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Parques municipais terão R$ 4 milhões para aplicar em revitalização

12/04/2018

Como uma das últimas cidades a ter trechos da Mata Atlântica, o Rio é repleto de parques urbanos, nem sempre bem conservados. Historicamente, a grande dificuldade dos seus gestores é a falta de orçamento próprio. Por isso, recentemente eles tiveram o que comemorar: um contrato de um ano foi firmado, no fim de março, contemplando reparos pontuais feitos por 78 funcionários, de auxiliares de serviços gerais a biólogos, em 14 parques, sendo a metade na região de Barra, Recreio e Jacarepaguá. É o Conservando Parques. A prefeitura anunciou também a retomada do programa Guardiões dos Rios, agora batizado como Conservando Rios. O Canal das Taxas, porém, um dos que mais recebem demanda de limpeza, não será contemplado, a princípio.
O contrato do Conservando Parques tem valor de R$ 3.948.206,34. Os recursos são oriundos da Ternium, que comprou a Companhia Siderúrgica do Atlântico. Pelos termos da transação, metade dos benefícios fiscais de R$ 170 milhões concedidos à empresa em 2005 deveria ser aplicada em medidas compensatórias ambientais. A Secretaria de Conservação e Meio Ambiente (Seconserma) explica que, desde 2010, a empresa deixou de cumprir a determinação, mas a prefeitura voltou a cobrar a verba.
O principal objetivo do projeto foi garantir a contratação de pessoal, já que a mão de obra é escassa nos parques e bosques. Estarão à disposição 40 auxiliares de serviços gerais e trabalhos externos, 17 funcionários administrativos, oito vigias, três biólogos e dez motoristas. As unidades da Área de Planejamento 4 (Barra, Recreio, Vargens e Jacarepaguá) a serem atendidas são: Grumari, Prainha, Marapendi, Chico Mendes, Bosque da Barra, Mello Barreto e Bosque da Freguesia. Completam a lista, no restante da cidade, os parques do Mendanha, Dois Irmãos, da Cidade, da Catacumba, da Chacrinha, do Grajaú e Darke de Mattos, em Paquetá.
Nos últimos meses, a Seconserma fez vistorias para mapear as principais demandas. Ficou evidente a grande quantidade de pequenos problemas, de estruturas danificadas à falta de papel higiênico nos banheiros. Nas unidades que costumam receber mais visitantes, como era de se esperar, a ajuda se faz ainda mais urgente. O Bosque da Barra, por exemplo, costuma atrair entre 3.500 e quatro mil num fim de semana de sol. A expectativa é que receba mais cinco funcionários para atuar na manutenção e na parte administrativa.
Cada parque municipal tem sua vocação, que pode ser a visitação ou a preservação. A do Bosque da Barra é clara: o espaço se consolidou como um dos principais espaços para passeio no bairro, e fica lotado de famílias fazendo piqueniques nos fins de semana. Também são promovidas atividades como palestras sobre temas variados e aulões de pilates e ioga.

Saiba mais em O Globo

Novidades

Inea avalia região afetada por vazamento de óleo para saber quais espécies foram atingidas

11/12/2018

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) ainda não conseguiu mensurar a dimensão da área contaminada ...

Imagens mostram extensão de vazamento de óleo em duto da Petrobras no RJ

11/12/2018

Imagens do projeto de monitoramento ambiental Olho Verde, feitas pelo biólogo Mário Moscatelli, most...

Tentativa de furto provoca vazamento de 60 mil litros de óleo na Baía de Guanabara

11/12/2018

O vazamento de 60 mil litros de óleo que atingiu a Baía de Guanabara, na tarde de sábado, foi provoc...

Uerj, Inea e FAO assinam acordo para monitoramento ambiental em Ilha Grande

11/12/2018

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o Instituto Estadual de Ambiente (Inea-RJ) e a Or...

Carpas que chupam chupeta conquistam visitantes de restaurante em Jundiaí

11/12/2018

A pescaria em um restaurante de Jundiaí (SP) é um pouco diferente da tradicional: de um lado a varin...