UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Desde 2015, nenhum condomínio nas Vargens e Jacarepaguá conseguiu regularização

12/04/2018

A regularização de condomínios e loteamentos em Vargem Grande e Vargem Pequena é uma demanda de décadas. Em 2015, quando uma lei complementar foi sancionada flexibilizando as exigências para o processo, moradores comemoraram, mas até hoje nenhum empreendimento foi legalizado. Na semana passada, uma nova lei, que estenderia a possibilidade de regularização a condomínios de toda a cidade e aumentaria o prazo para síndicos darem entrada no pedido, foi vetada pelo prefeito, que alegou interferência do Legislativo no Executivo.
Criado em dezembro de 2016, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 174, dos vereadores Chiquinho Brazão e Willian Coelho, ambos do PMDB, só teve seu texto final publicado pela Câmara dos Vereadores há um mês, após seguidas votações. O PLC, então, foi enviado para o prefeito, que optou pelo veto na íntegra. Em um dos trechos de sua justificativa, no Diário Oficial, Marcelo Crivella afirmou: “Cabe registrar que a proposição em pauta significa grave intromissão do Poder Legislativo Municipal em seara que não lhe é própria, pois pressupõe uma intervenção em matéria relativa ao zoneamento urbano, cuja iniciativa é reservada ao Chefe do Poder Executivo”.
O PLC 174 foi escrito para alterar dispositivos das leis complementares 160 e 161, ambas de dezembro de 2015, que flexibilizaram as exigências para a regularização de condomínios nas Vargens e em Jacarepaguá, como pediam moradores. Os administradores tinham um prazo de um ano para dar entrada nos pedidos, na então Secretaria municipal de Urbanismo. Entretanto, segundo a comissão de acompanhamento criada na Associação de Moradores e Amigos de Vargem Grande, apenas cerca de 180 dos mais de 600 condomínios que poderiam se beneficiar da lei entregaram a documentação necessária.
— Muitos tiveram dificuldades para cumprir as exigências — afirma Rogério Appelt, integrante da comissão de acompanhamento, que critica o veto. — Entendo como um briga politica. Há uma lei federal de 2017 (lei 13.465/17) que obriga as prefeituras a legalizarem e facilitarem a regularização fundiária e de imóveis. Não é mais questão de favor. Vou articular uma ação popular contra a prefeitura.
Para Appelt, nenhum dos condomínios que conseguiram reunir a documentação foi regularizado até hoje porque existe um “desinteresse geral do município”:
— Veja que incoerência. Existe uma lei específica, que não conseguiu regularizar nenhum condomínio. Será que é incapacidade de todos os profissionais envolvidos? Será que nenhum dos condomínios têm as condições necessárias para obter a regularização? Ou dois anos foi pouco tempo para concluir o processo?
Apesar da necessidade de ordenamento fundiário nas Vargens, as leis criadas até agora pelos vereadores têm sido criticadas por especialistas. No ano passado, a Comissão de Direito Urbanístico da OAB-Barra chegou a escrever um anteprojeto para a lei 160, propondo a revisão de alguns pontos. Para a comissão, havia uma série de falhas no texto original, como o artigo segundo o qual propriedades não legalizáveis serão desapropriadas pela prefeitura, ou seja, o poder público indenizará os responsáveis por elas. Para a comissão, esse artigo poderia incentivar a grilagem, pois loteamentos irregulares seriam indenizados, quando as medidas corretas seriam a notificação e o embargo. Além disso, argumentam, a fiscalização é de responsabilidade do Executivo, e não do Legislativo. O anteprojeto da OAB, porém, não foi aproveitado pelos vereadores, apesar de ter sido entregue à Comissão de Assuntos Urbanos na Câmara, presidida por Chiquinho Brazão.
O vereador não explicou por que o anteprojeto da OAB não foi considerado, mas defende o embasamento técnico da lei, observando que a elaboração do texto foi acompanhada por “muitos profissionais da área”. Ele diz que vai trabalhar para derrubar o veto do prefeito na Câmara:
— A nova lei abrangia a cidade toda. Assim, chegaríamos a cerca de três mil condomínios que poderiam passar a pagar impostos.

Saiba mais em O Globo

Novidades

Prefeitura retoma programa de limpeza de rios, feito em mutirões com moradores de favelas

19/04/2018

Alvos constantes de poluição e de más práticas de preservação, os rios da cidade têm nova chance de ...

´Lixão´ vira horta comunitária cuidada por crianças e moradores em Araraquara

19/04/2018

Moradores e crianças do bairro Residencial Maria Luiza, em Araraquara (SP), transformaram um terreno...

Estudo encontra até 1,4 milhão de fungos e bactérias em latinhas e garrafas de ambulantes

19/04/2018

Aquele momento de matar a sede em engarrafamentos ou em passeios a pé precisa de mais atenção dos co...

Expedição descobre corais dentro de área destinada à exploração de petróleo na costa do Amapá

19/04/2018

Em nova expedição pelos corais descobertos nos últimos anos na foz do rio Amazonas, no Norte do Amap...

MPF pede que Ibama indefira exploração de petróleo na foz do Amazonas

19/04/2018

O Ministério Público Federal (MPF) no Amapá expediu recomendação hoje (18) para que o Instituto Bras...

A criativa solução da Noruega para acabar com o lixo plástico nos oceanos

19/04/2018

A Noruega tem o que especialistas consideram o melhor sistema de reciclagem de garrafas plásticas do...