UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Pesquisadores de MG descobrem seis novas espécies de tamanduá

11/01/2018

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) descobriu seis novas espécies de tamanduá-seda, achado que foi divulgado nesta segunda-feira no periódico "Zoological Journal".
O novo estudo combina dados genéticos e anatômicos para revisar a classificação desse animal. Os cientistas analisaram 33 amostras de DNA e examinaram mais de 280 espécimes, em museus de todo o mundo. Eles descobriram que o que anteriormente era considerado uma única espécie, a Cyclopes didactylus, é, na verdade, muito mais diverso: trata-se de sete espécies diferentes. Além do C. didactylus — considerado agora o tamanduá-seda comum —, existem outras seis.
O tamanduá-seda comum é muito encontrado no norte da América do Sul e do Nordeste do Brasil. Os pesquisadores da UFMG revalidaram três espécies indicadas por estudos anteriores: o tamanduá-seda de Ida (Cyclopes ida), do norte do rio Amazonas e margem esquerda do rio Negro; o tamanduá-seda centro-americano (Cyclopes dorsalis), da América Central e do Norte da América do Sul; e o tamanduá-seda de Yungus (Cyclopes catellus), dos Yungas da Bolívia.
Além disso, outras três espécies foram descritas de forma inédita, incluindo o tamanduá-seda de Thomas (Cyclopes thomasi), em homenagem a Oldfield Thomas, naturalista britânico que contribuiu para o conhecimento sobre esse animal no passado. As outras duas novas espécies são o tamnaduá-seda do Xingu (Cyclopes xinguensis), encontrado no Rio Xingu no Brasil; e o tamanduá-seda vermelho (Cyclopes rufus), de Rondônia, caracterizado por uma coloração vermelha ardente.
O tamanduá-seda é um mamífero que vive em florestas tropicais da Região Amazônica e da América Central. Ele é um pequeno animal noturno que vive no dossel de árvores. É também conhecido como tamanduá-anão ou tamanduaí.
Essas novas espécies acabaram de ser descobertas, mas o status de preservação delas já é incerto, como explica a autora principal da pesquisa, Flávia Miranda, da UFMG:
— Embora os tamanduás-seda em geral ainda estejam espalhados pela Região Amazônica, muitas das novas espécies podem estar sob forte pressão do desmatamento, da mineração e da agricultura, entre outras ameaças — afirma Miranda, que também é presidente da ONG de conservação Projeto Tamanduá, que se concentra nos esforços de preservação da população de tamanduás e outros animais, como preguiças.

Saiba mais em O Globo

Novidades

Macaco é encontrado morto em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio

23/01/2018

Um macaco foi encontrado morto em um condomínio no bairro de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, nes...

INEA deflagra operação para reprimir pesca ilegal com redes de espera em Macaé

23/01/2018

Uma equipe do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) deflagrou, na última terça-feira (16/1), uma fis...

Wenceslau Guimarães tem surto de malária com 1 morte e 7 casos confirmados

23/01/2018

A cidade de Wenceslau Guimarães, baixo do sul da Bahia, a cerca de 300 km de Salvador, vive um surto...

Artigo faz distorção sobre impacto ambiental da produção de carne

23/01/2018

Alegando que não há setor no agronegócio brasileiro “que sofra maior preconceito e desinformação” do...

Pesquisas em recursos hídricos recebem financiamento de R$ 10,5 milhões

23/01/2018

Projetos de pesquisa sobre gestão de recursos hídricos terão um apoio de R$ 10,5 milhões para suas a...

Satélite ajuda a monitorar desmatamento com mais precisão

23/01/2018

Um satélite que ajuda a monitorar o desmatamento no Brasil com mais precisão detectou que a área dev...