UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
Justiça suspende processo por tragédia em Mariana

10/08/2017

A Justiça Federal em Ponte Nova (MG) suspendeu o processo criminal contra 22 réus e as empresas Samarco, Vale, BHP Billiton e VogBR pelo rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, considerado a maior tragédia ambiental da história do Brasil.
A decisão foi tomada após pedido da defesa de dois ex-diretores da Samarco, Ricardo Vescovi e Kleber Terra, que comandavam a mineradora na época do desastre. Acusados de homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar), eles alegam que o processo inclui "provas ilícitas".
As evidências em questão seriam algumas escutas telefônicas supostamente feitas de maneira ilegal, já que teriam ultrapassado o período autorizado pela Justiça. A suspensão do caso foi determinada pelo juiz Jacques de Queiroz Ferreira, e seu despacho data de 4 de julho.
O processo ficará paralisado até que as companhias telefônicas envolvidas nas escutas, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), prestem esclarecimentos sobre as afirmações apresentadas pelas defesas de Vescovi e Terra. Segundo o juiz Ferreira, o caso poderia ser anulado se seguisse adiante.
Citado pelo portal "G1", o MPF disse que as interceptações indicadas como "ilegais" sequer foram usadas na denúncia. "Por isso, não teriam a condição de causar nulidade no processo penal", acrescentou o órgão.
O desastre ocorreu no dia 5 de novembro de 2015, quando o rompimento da barragem do Fundão destruiu o distrito de Bento Rodrigues, na cidade histórica de Mariana, e espalhou rejeitos de mineração por diversos municípios e rios da região. A tragédia matou 19 pessoas.
O reservatório era de propriedade da Samarco, joint venture entre a Vale e a BHP Billiton. Já a VogBR emitiu o laudo atestando a "estabilidade" da barragem. Dos 22 réus, 21 respondem por homicídio com dolo eventual, inundação, desabamento, lesão corporal e crimes ambientais.
Um deles, um engenheiro da VogBR, é acusado de apresentação de laudo ambiental falso, assim como a própria empresa. Já a Samarco, a Vale e a BHP respondem por crimes ambientais, além de homicídio com dolo eventual.

Fonte: Jornal do Brasil

Novidades

Surfistas defendem recuperação definitiva na orla da Praia da Macumba

19/10/2017

Desde meados de setembro é possível conferir o desmoronamento do calçadão da Praia da Macumba, na Zo...

Cientistas encontram nova espécie invasora de coral na Baía da Ilha Grande

19/10/2017

Cientistas do Projeto Coral-Sol, do Instituto Brasileiro de Biodiversidade (BrBio), em conjunto com ...

Incêndio em parque estadual de MS consumiu cerca de 20 mil hectares

19/10/2017

O incêndio no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema, que abrange os municípios de Jateí, Navir...

Desmatamento na Amazônia reduz 16% em um ano, diz governo

19/10/2017

O governo federal informou, nesta terça-feira, que a taxa de desmatamento na Amazônia caiu 16%, entr...

Pesquisa do INCT da Criosfera sobre mudanças na vegetação antártica recebe prêmio

19/10/2017

O trabalho intitulado "Cambios climáticos y aumento de la vegetación en la Peninsula Fildes, Antárti...

Jatobá popular na Caatinga só agora é catalogado pela ciência

19/10/2017

A copa, sempre verde, da árvore se ergue dez metros acima do solo pedregoso da Caatinga. Em boa part...